MENU
Share Button

Ponto prévio: apraz-nos imenso que se fale sobre animais, mais ainda quando é para acrescentar ideias de valor que possam beneficiar aqueles. Essa tem sido, de resto, a nossa luta! Foi-o primeiramente quando éramos somente cidadãos e continuou a sê-lo mais tarde, quando surgiu o Partido pelos Animais e pela Natureza (PAN) e assumimos o compromisso de colocar a causa animal no mapa, dando voz aos animais. A todos os animais!

Li com atenção o artigo de opinião publicado no CIR [Cidade Informação Regional] pela Érica Inácio, Coordenadora do Pelouro Vida Animal da Concelhia do CDS-PP Almada, a respeito da proposta endereçada à C.M.A. para a criação de uma Feira Local de Animais Domésticos, a qual teria lugar quinzenalmente nas cinco freguesias do concelho.

A ideia, que, noutros moldes, até poderia ser boa, evidencia um total desconhecimento sobre o assunto, mais concretamente ao nível do bem-estar dos animais que, supostamente, seriam os beneficiados daquela proposta. Mais parece, na realidade, um piscar de olho às associações, sendo que, a sê-lo, tenho sérias dúvidas que produza os efeitos pretendidos, nomeadamente porque quem anda no terreno sabe que não são as feiras os sítios certos para promover adopções responsáveis (conceito que parece ser desconhecido à autora do artigo, dada a utilização da expressão “doação de animais”).

Os animais não são bens materiais para estarem expostos à espera de serem levados e também eles são vulneráveis ao medo e à ansiedade que uma feira, com muitas pessoas, lhes pode causar. Existem outras formas de promover a adopção, por sinal mais eficazes e bem mais condizentes com a natureza dos animais.

Mais, não leva a crer que a referida proposta nada diga sobre os animais de que a C.M.A. (por via do Médico Veterinário Municipal) é fiel depositária, leia-se, os animais do canil municipal. É que, contrariamente às associações, nenhuma autarquia, nem mesmo aquela com profissionais sensíveis para o problema, está verdadeiramente vocacionada para tratar de animais. E são muitos os animais a precisarem de uma família e de uma casa para viver!

Se o compromisso do CDS-PP local é, realmente, com o bem-estar dos animais de companhia, talvez devesse associar-se às iniciativas do PAN local, nomeadamente, na reivindicação por um novo e melhor Canil Municipal, na promoção de programas de sensibilização contra o abandono e a favor da esterilização de animais, entre outras. Aqui expressamos a nossa disponibilidade para trabalhar em tudo o que for no exclusivo interesses dos animais.

Termino por onde comecei: muito gostamos e tudo fazemos para que se fale cada vez mais sobre animais. Simplesmente não esperem que sigamos atrás de tudo o que meta a palavra “animal”. O nosso compromisso é genuíno e não se compadece com fenómenos eleitoralistas, pelo que apelamos a quem é pelos animais que esteja atento e que diferencie as propostas que o são no interesse exclusivo dos animais daquelas que visam tão somente aproveitar-se dos animais.

Nota:

Seria bom que o Pelouro Vida Animal do CDS-PP local viesse explicar em que medida os espectáculos tauromáquicos se enquadram na “harmonia equilibrada entre o Homem e a Natureza e o seu meio-ambiente, onde as partes se possam complementar numa relação de perfeita sintonia e de vivência conjunta”. 

 

André Nunes

Vice-presidente do Conselho Local de Almada do Partido pelos Animais e pela Natureza

 

Artigos Relacionados

5 Respostas a Andar a reboque nunca deu bom resultado!

  1. Caro André Nunes,

    Como cidadã e defensora da causa animal, penso que uma mais valia dos partidos representados na CMA deveria ser a insistência para que a mesma cedesse um terreno à Associação dos Amigos dos Animais de Almada, para que os animais que se encontram sob sua guarda, pudessem ter condições e serem tratados da melhor forma. Uma vez que o local onde se encontram de condições não tem nada. Isso sim seria uma forma positiva e consertada dos partidos atuarem. De ideias fantásticas está o mundo cheio, mas de concretizações poucos são os que conseguem.

    Obrigado por serem quem são PAN,

  2. Gostava de saber o que este senhor entende por “quem anda no terreno”…
    Pois perdendo um pouco do seu tempo e espaço, veio por este meio combater uma proposta que, em vez de ver como uma pequena batalha ganha já por si mesmo a vê como um combate de ideia e promoção pessoal e do seu partido.
    Ora a proposta feita endereçada à C.M.A, digo também, seria e é a minha e de muito de nos, tal como irá sair em breve na REVISTA ONLINE DO CDS-PP ALMADA.
    Interrogo-me o porque de quem anda nesta luta diária (???) perde o tempo e espaço não a favor da sua luta mas sim a combater quem trabalha e , sim quem anda verdadeiramente no terreno.
    Sendo assim, e tão especializado na área gostava de saber quantas vezes este senhor…
    Andou mais de 20 klm para salvar a vida de um gato durante a noite de Santa Margarida até ao Entroncamento.
    Quantos klm fez por este Portugal fora para salvar um animal só.
    Quantos milhares de euros gastou em veterinários.
    Não só falando em animais domésticos, gostaria de saber quantas outras espécies este senhor salvou de morte certa
    Quantas vezes arriscou, e por vezes a vida e muitas vezes até ilegalmente para resgatar animais
    Quantos pombos de rua esteve em sua casa e ao seu cuidado
    Quantas horas passa por dia a alimentar animais de rua
    Quantas vezes esteve enfiado em caixotes de lixo para apanhar restos para animais
    Quantos gatos e cães teve ao cuidado
    Quantos vezes passou fome para dar aos animais…
    E ainda a minha maior questão, porque veio este senhor contestar uma ideia que seria benéfica para os animais?????
    Por uns segundos comparei este senhor a um rapaz que conheci que pertencia a um partido dito nacionalista sem assento parlamentar que não conhecia o hino nacional….Só servem para agradar aos “donos” e em vez de andarem para a frente, distribuem para os lados, com esperança de um dia vir a pertencer a uma elite cega pelo poder.

    Daqui a pouco vou sair PARA O TERRENO para alimentar uns animais, não sei se vai estar frio ou chuva, não porque estamos em altura de eleições, mas sim porque tenho o apoio na cidade de Almada de um partido que se preocupa com a sua cidade e com o que a rodeia, que teve a dita proposta apresentada, e não porque se mantém no silencio barulhento que tanto os seus colegas da CDU gostam de ouvir em assembleias e reuniões.

  3. Alexandra Silva a cedencia do terreno tambem vai ser proposto em breve para a mesma associação, alias foi o que eu escrevi a mais de um mês na REVISTA ONLINE DO CDS-PP ALMADA que poderá confirmar por si mesma em breve, nós não paramos…

  4. Caro Sr. André a proposta feita à Câmara Municipal de Almada, não é de modo nenhum ” fenómeno eleitoralista”. É a proposta de quem desde há muitos anos (utilizando as suas palavras) anda no terreno, alguém que desde sempre, faz e tem feito tudo o que pode pelos animais. O Sr. Carlos Seabra é alguém de quem tenho muito orgulho e de quem sou parceira nesta luta infindável para com os animais. Todas as situações acima por ele descritas são absolutamente verídicas. Podia-lhe enumerar a quantidade de animais que ao longo dos anos, já resgatámos, salvámos, ajudámos, e continuamos a fazê-lo, mas não vale a pena. E Já que fala em “andar no terreno”, Ousa perguntar quantos animais temos nós neste momento a nosso cargo? Quantas esterilizações pagámos do nosso bolso? Ousa vir conhecer os nossos terrenos? Ousa ajudar nas despesas que os animais desses terrenos acarretam? Por isso Sr. André, para um vice-presidente de conselho, aconselho-o a ter mais cuidado com as palavras e insinuações sobre pessoas que o senhor que não conhece e nem faz a pequena ideia do que fazem todos os dias nos ditos terrenos.

  5. Bom dia a todos,

    Começando pelo motivo da discórdia – a proposta endereçada à C.M.A. para criação de uma feira local de animais domésticos – volto a dizer o que disse antes: que as feiras não são lugares para se promover a adopção responsável de animais, por sujeitarem os animais a estados de desgaste físico e psicológico que devem ser evitados.

    De seguida, para transmitir à Sra. Alexandra Silva que ainda em Setembro último voltámos a reiterar presencialmente, junto da C.M.A., a importância desta em ajudar as associações de defesa animal do concelho de Almada, nomeadamente com a criação de um fundo municipal para a promoção da esterilização de animais. Nesse sentido e no tocante à cedência de terreno, foram-nos dados motivos para acreditar que 2015 será um ano importante, pelo que, para já, apenas lhe podemos garantir que estamos a trabalhar para que os resultados apareçam.

    Quanto às restantes interpelações, gostaria de deixar claro que não tenho que – nem quero – duvidar dos esforços que, individualmente, os membros da concelhia local de Almada do CDS-PP fazem em prol dos animais. De resto, em momento algum no meu artigo de opinião o fiz. Congratulo sem pejo todos aqueles que oferecem os seu tempo a lutar pelos animais, nas mais diversas frentes. Questionei sim – e continuo a questionar – o timing com que o CDS-PP Almada decide colocar, enquanto concelhia, e tanto quanto é do conhecimento público, o tema “animais” na sua agenda política. E questiono-o porque há muito que existe CDS-PP em Almada e há muito que existem problemas a envolver o bem-estar animal.

    Só para que não restem dúvidas, seria bom que fossem divulgadas as propostas do CDS-PP Almada respeitantes ao bem-estar animal feitas no âmbito do Direito à Oposição, constante no Plano de opções 2013-2017. Seria igualmente proveitoso, para o esclarecimento colectivo, que fossem elencadas as medidas que foram promovidas e alcançadas pelo CDS local a bem dos animais nos últimos anos, bem como teria sido interessante conhecer a posição do CDS-PP Almada a respeito da adenda feita pelo CDS-PP nacional na comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, aquando da votação da lei que criminaliza os maus-tratos a animais de companhia, na qual foi introduzido um artigo que estabelece que a criminalização dos maus-tratos “não abrange os animais utilizados em exploração agrícola, pecuária ou agroindustrial, assim como os utilizados para fins de espetáculo comercial ou outros fins legalmente previstos”.

    Por fim, volto a perguntar qual o posicionamento do CDS-PP Almada a respeito dos espectáculos tauromáquicos e dos circos a envolverem animais.

Deixe uma resposta

« »