MENU
contentores_Barreiro

Barreiro aceita contentores mas exige Terceira Travessia do Tejo

21 Dezembro, 2014 • Redação • Destaque, Sociedade

Share Button

A Câmara do Barreiro está disponível para receber o Porto e Terminal de Contentores de Lisboa, mas coloca como contrapartida a construção da Terceira Travessia do Tejo para fazer frente ao esperado aumento de tráfego, resultante deste movimento de carga.

Diz o presidente do município que a infraestrutura portuária projetada tem dimensão “concelhia e regional”, sendo de prever nas próximas décadas um movimento muito significativo de contentores, pelo que têm de ser “acauteladas as questões do aumento de tráfego”, sendo “necessário o reforço de acessibilidades e a concretização de projetos já amadurecidos, como as ligações Barreiro/Seixal e Seixal/Almada ou a Circular Regional Externa da Moita”. Acrescenta Carlos Humberto que tem de ser “estudada uma ligação Barreiro/Montijo/Ponte Vasco da Gama”.

Entretanto o presidente da Câmara do Barreiro já anunciou que o parecer a enviar à Agência Portuguesa do Ambiente sobre a Proposta de Definição de Âmbito do Estudo de Impacte Ambiental do Terminal de Contentores do Barreiro, ficou pronto no dia em que terminou o período formal de consulta pública. Neste documento, revela, para além de serem levantadas “questões de acessibilidades”, são colocadas “questões ambientais e de inserção urbana”.

Para o autarca comunista, o projeto que está em cima da mesa vai alavancar a necessária atividade portuária na região de Lisboa e também no País, ao mesmo tempo que confere maior potencialidade ao estuário do Tejo.

“É preciso que o País se prepare para este novo ciclo” de modo a que Lisboa e a sua Área Metropolitana possam ser uma referência à “escala europeia” e afirmarem-se como uma “Cidade Região”, realça Carlos Humberto que sublinha ainda a favorável posição geográfica estratégica de Portugal.

A construção do Porto e Terminal de Contentores no Barreiro tem um investimento calculado na ordem dos 600 milhões de euros e vai ficar anexo à Quimiparque, hoje Baía do Tejo, território com cerca de 300 hectares.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

« »