MENU
Este ano foi aberto um palco dedicado à dança

Festival O Sol da Caparica reforça matriz portuguesa

5 Agosto, 2016 • Humberto Lameiras • Cultura, Destaque, Lazer

Share Button

Nomes que afirmaram a música cantada em português e outros que lhe dão continuidade juntos no palco de O Sol da Caparica. Um festival que este ano reforça o cartaz no dia dedicado à criança.

O Sol da Caparica está pronto a arrancar no Parque Urbano da Costa da Costa da Caparica de 11 a 14 de agosto. Considerado o mais marcante festival de Verão em língua portuguesa, a edição deste ano traz aos três palcos 33 artistas em mais de onze horas de música.

A organização do festival espera que a terceira edição siga o sucesso das anteriores e conta receber cerca de 70 mil pessoas. Ou seja, voltar a lotar um recinto onde, para além de música, vão passar mais de 200 filmes pela Monstra nos intervalos dos concertos, demonstrações de skate, arte urbana e um espaço dedicado à leitura.

Uma das novidades deste ano é o palco dedicado à dança urbana de todos os estilos por onde vão passar 13 grupos e 150 bailarinos.

Mais uma vez o último dia do festival será dedicado às crianças. “Uma originalidade nos festivais de verão”, refere António Miguel Guimarães, diretor artístico de O Sol da Caparica. Com um cartaz muito especial, este ano a organização lançou um desafio único a vários cantores bem conhecidos. Sérgio Godinho, Vitorino, Samuel Úria e Ana Bacalhau vão interpretar canções tradicionais que ficaram na memória, e outras mais recentes.

“Este é um festival com raízes sólidas e é para continuar”, afirma Joaquim Judas, presidente da Câmara de Almada. Lembra o autarca que o Sol da Caparica foi concebido para “promover a Costa da Caparica e, para além de cumprir esse objetivo, afirmou-se na divulgação da música em língua portuguesa”. Inclusivamente, este ano o festival estabeleceu uma parceria com a União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA).

Outra das características de O Sol da Caparica é a preocupação ambiental, aponta a organização, que integrou entre as atividades algumas que alertam para esta questão. Também os Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada vão participar com a colocação de vários bebedouros com detalhes de arte.

O passe de três dias para o Festival O Sol da Caparica custa 35 euros, enquanto o bilhete diário é de 15 euros.

CARTAZ DE O SOL DA CAPARICA

     11 agosto
– David Fonseca
– C4 Pedro
– Deolinda
– Danças Ocultas & Orquestra Filarmónica das Beiras
– Aline Frazão
– Marta Ren
– O Rappa
– Orelha Negra
– Valete
– Mão Morta

     12 agosto
– Jorge Palma & Sérgio Godinho
– Aurea
– The Gift
– Melech Mechaya
– Mundo Segundo & Sam The Kid
– Jimmy P
– Diogo Piçarra
– Cristina Branco & Mário Laginha
– Elida Almeida

     13 agosto
– Ana Moura
– Rui Veloso
– Ala dos Namorados
– DJ Zé Pedro
​- Nelson Freitas c/ Mikkel Solnado e Dino d’Santiago
– We Trust
– X-Wife
– Capitão Fausto
– Keep Razors Sharp
– The Black Mamba
– Os Azeitonas com António Zambujo, Presto e Pedro Tatanka

     14 agosto
Canções de Roda, Lengalengas e Outras Que Tais por Ana Bacalhau, Samuel Úria, Sérgio Godinho e Vitorino

Artigos Relacionados

Deixar uma resposta

« »