MENU
Lagoa de Albufeira - 3

Sesimbra acusa Governo de esquecer Lagoa de Albufeira

24 Junho, 2014 • Redação • Destaque, Sociedade

Share Button

Pela segunda vez este ano, a Lagoa de Albufeira, em Sesimbra, ficou sem ligação ao oceano e ontem, dia 23, o Delegado de Saúde Regional de Lisboa e Vale do Tejo, mandou interditá-la à prática balnear. António Tavares alega que as águas ao não serem renovadas com as marés marítimas poderão estagnar, e “contaminarem com microrganismos”.

Para a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo a decisão de interditar a Lagoa de Albufeira tem por objetivo reduzir a “exposição ao risco para a saúde da população”, devendo esta medida cautelar só ser levantada após as análises à qualidade da água “revelarem que não há risco para a saúde pública”, afiança o delegado de saúde.

O problema do assoreamento do canal de ligação da Lagoa de Albufeira ao mar verifica-se há vários anos e, afirma a autarquia, que o mesmo tem vindo a ser colocado ao Governo que “continua alheio” a uma situação que “deveria ser encarada como uma prioridade”, pois trata-se de uma zona com “grande importância ambiental (Integra a Rede Natura 2000) e turística”.

Lamenta ainda a autarquia que, “anualmente, se encontrem milhões de euros para proteger a costa e outras lagoas, enquanto a Lagoa de Albufeira continua a ficar esquecida”. Isto apesar de “por diversas ocasiões a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) ter sido informada da “necessidade de se efetuar uma grande obra de desassoreamento da Lagoa, uma medida vital para garantir a abertura prolongada da mesma”.

Segundo o presidente da Câmara de Sesimbra, Augusto Pólvora, este ano a Lagoa já teve de ser aberta por duas vezes e está a ser programada uma terceira intervenção. Obras que diz terem sido assumidas pela Câmara apesar de não serem da sua responsabilidade. “Quem tem competência legal para o fazer é o Governo através da APA, mas não o faz”.

Acrescenta o edil que “em todas as lagoas oceânicas do país é a APA que procede à abertura das mesmas, mas em Sesimbra há vários anos que esta operação é feita pela autarquia e sempre “às custas do Orçamento Municipal”.

Este ano a ligação da Lagoa com o mar foi feita na altura da Páscoa e teve de ser reaberta em maio. Pelas contas de Augusto Pólvora, a despesa com esta operação já vai nos “15 mil euros”. Um problema que não se colocaria se a Lagoa fosse “desassoreada ciclicamente”, mas “há mais de dez anos que essa intervenção não é feita”. E a cada ano a situação agrava-se porque “boa parte das areias que, anualmente, são descarregadas na Costa da Caparica são arrastadas pelo mar e vêm assorear a Lagoa de Albufeira”.

Voltando a lamentar a falta de verbas do Governo para esta zona turística de Sesimbra, Augusto Pólvora diz que a autarquia vai mais uma vez assumir a reabertura da Lagoa, porém esta operação só poderá ser executada na próxima maré de grande dimensão, que está prevista para 3 e 4 de julho. Mas “nada nos garante que a lagoa não volte a assorear”, conclui o autarca.

 

Foto: DR

Artigos Relacionados

Uma resposta a Sesimbra acusa Governo de esquecer Lagoa de Albufeira

Deixe uma resposta

« »